EDP Serviço Universal baixa tarifas da luz em 0,2% em 2018

postado em: Uncategorized | 0

A EDP Serviço Universal vai baixar as tarifas em 0,2% em 2018, uma descida de preços que irá beneficiar “cerca de 1,2 milhões de clientes domésticos” do mercado regulado de eletricidade.

Em comunicado hoje enviado, a EDP Serviço Universal indica que “esta atualização entrará em vigor no próximo dia 1 de janeiro”, dando cumprimento ao determinado pela Entidade Reguladora do Setor Energético (ERSE), que define as tarifas aplicadas em cada ano.

A EDP Serviço Universal disse ainda que já começou a informar os clientes desta descida das tarifas que vão vigorar no próximo ano e recordou que, a partir de 01 de janeiro, “os clientes que estejam no mercado liberalizado podem, se assim o entenderem, optar pelas tarifas reguladas ou equiparadas”.

A EDP Comercial, por seu lado, indicou que vai aumentar em média o preço da eletricidade em 2,5% em 2018, devido à subida do preço da energia do mercado grossista no último ano na ordem dos 24%.

Em declarações à Lusa, o presidente da empresa, Miguel Stilwell de Andrade, adiantou que o fornecedor de energia em mercado livre, do grupo EDP, “procurou privilegiar as famílias, com maiores consumos”, com tarifa simples, que terão uma redução na componente de consumo e um aumento na potência, o que permite, no global, “uma tarifa igual ou ligeiramente abaixo” da regulada.

“O importante é olhar para o conjunto das duas coisas para poder comparar”, defendeu o administrador do grupo EDP, realçando que a componente variável (consumo) – que descerá – representa cerca de 75% da fatura.

Já no caso da tarifa bi-horária, os preços da EDP Comercial serão entre 1% e 3% mais altos do que os praticados aos consumidores que ainda têm tarifa regulada: “Efetivamente no caso da tarifa bi-horária não vai ser possível termos preços competitivos”.

Segundo Miguel Stilwell, a principal razão para esta subida média de 2,5% das tarifas em 2018 é o “aumento de preços da energia no mercado grossista em 24% no último ano”, em grande parte devido à seca e ao incremento do preço do carvão.

Deixe uma resposta