Legislação Inspecção Gás

postado em: Uncategorized | 0

Aparelhos mal afinados, fugas de gás e concentrações elevadas de monóxido de carbono são alguns dos problemas detectados numa inspecção.gas

Estas situações nem sempre são facilmente detectáveis pelas pessoas que habitam as suas casas. Uma tubagem envelhecida com fissuras ou um esquentador/caldeira com evacuação de gases deficiente, podem facilmente originar perigo de explosão. A combustão de gás produz sempre monóxido de carbono (CO) que, inalado em quantidades excessivas, pode provocar vómitos, vertigens, intensas dores de cabeça e, no pior dos casos, a morte.

As inspecções não são mais que uma garantia de segurança e salvaguarda de pessoas e bens de toda a comunidade.

Mapa de Periocidade

Devem realizar-se inspecções extraordinárias a instalações de gás sempre que:

  • Sejam feitas alterações na instalação de gás;
  • Existam fugas de gás;
  • Seja feito novo contrato de fornecimento de gás;
  • Exista conversão do gás butano ou propano para gás natural.

Devem realizar-se Inspecções Periódicas de: (nº 2, Art. 3º, Anexo II da Portaria 362/2000, de 20 de Junho):

  • Dois em dois anos – para as instalações afectas à industria turística e de restauração, a escolas, a hospitais e outros serviços de saúde, a quartéis e a quaisquer estabelecimentos públicos ou particulares com capacidade superior a 250 pessoas.
  • Três em três anos – para instalações industriais com consumos superiores a 50.000m3 de gás natural, ou equivalente noutro gás combustível.
  • Cinco em cinco anos – para instalações de gás efectuadas há mais de 20 anos e que não tenham sido objecto de remodelação.

Deixe uma resposta